Do Jardim Peri para o mundo

Esporte 21/06/2018

Foto: Reprodução // Instagram

Jardim Peri, um bairro simples e modesto da zona norte de São Paulo, acolhe e já acolheu grandes talentos brasileiros, tanto no esporte como na música. Um bairro que teve sua primeira residência em 1950, pertencente a família do construtor português Antonio Dias da Silva (emigrante em busca de melhores oportunidades), acolhe hoje uma população de 80 mil pessoas e talentos como MC Livinho e Gabriel Jesus. Se a região que se vive é determinante na construção de talentos, Peri (também) é um dos bairros que tem a receita do sucesso.

jdperi4
Foto: Reprodução // Instagram

Domada pelo movimento funk e pelo futebol, recheada de fluxos de rua e campos improvisados, a comunidade movimenta milhares de pessoas aos finais de semanas e feriados. Não foi diferente no dia 07/05/18; quando o bairro completou 67 anos e na Avenida Pery Ronchetti, principal avenida do bairro, organizadores reuniram a periferia e comemoraram a data no estilo pancadão.

Pery Ronchetti, caso não conheça, o fundador do bairro, era um italiano que adquiriu uma grande área do bairro que até então era conhecido como Guaraú. Foi lá que Pery fez o loteamento denominado “Jardim Pery” – e só teve seu reconhecimento 45 anos depois da chegada de Ronchetti em 1996.

Inspirado nos Mcs e nos jogadores de futebol, a garotada da quebrada adota o movimento funk como estilo; naipe de artista, pique de jogador; corte de cabelo, roupa, acessórios e linguajar típicos são aderidos pela juventude que mantém o sonho (de uma vida melhor) vivos na esperança de ser MC ou jogador.

Difícil apontar a maior inspiração dessa molecada, arrisco a dizer que no ano da Copa da Rússia, Gabriel Fernando de Jesus, 21, mais conhecido como Gabriel Jesus, se destaca. Criado no Jardim Peri, jogador do Manchester City da Inglaterra e vestindo a camiseta 9 da seleção brasileira na Copa da Rússica. Filho da Dona Vera, ela conta que desdobrava entre faxinas para fazer de tudo por eles, “Eu era rígida por que tinha que ser mãe e pai de quatro filhos”, explica em uma matéria da TV Palmeiras no Youtube.’”Gabriel nunca deu trabalho, sempre foi sapeca, mas era muito educado.’’.

jdperi3
Gabriel Jesus em 2014, o sonho do menor | Foto: Reprodução // Instagram

A história do jogador é como mais uma de quem morou na favela: começou na escolinha de futebol da região “Pequeninos do Meio Ambiente’’. Aos 15, se destacou no time “Associação Atlética Anhanguera” e em um amistoso contra o Palmeiras, olheiros do clube convidaram o menino do Jardim Peri a realizar testes no CT de Guarulhos.

Bom, daí até a seleção, a carreira do Jesus subiu igual foguete. Em 2013 foi contratado pelo Palmeiras, em 2015, ele levou a torcida ao delírio contra o Bragantino, assim como em julho do mesmo ano, quando obteve seu primeiro título pela Copa do Brasil.

Já na seleção brasileira de futebol, em 2016, realizou o sonho de todo brasileiro: vestir a camisa 9. Convocando para fazer parte do seu elenco de craques do Manchester City, o brasileiro em sua despedida chora e diz ‘’ Sou muito agradecido por estar aqui, espero que vocês nunca esqueçam de mim, porque eu nunca vou esquecer de vocês’’.

É nesse momento que voltamos pro dia 07/05, em sua despedida. Engana-se quem acha que isso é puro marketing, O jogador frequentemente está no bairro, organizando festas, ações beneficentes e marcando presença nas residências dos velhos amigos que o apelidam de “Tetinha”. “Ele é bastante brincalhão com os amigos, mas tímido com a imprensa, jogávamos futebol junto na rua, mas o que ele gostava mesmo era de pipa” conta Denis Souza Araújo, 31, amigo e ex-jogador da categoria de base do Palmeiras.

A despedida do craque para a Europa foi realizada em grande estilo na companhia dos amigos. Eles preparam uma festa para mais de três mil pessoas, com muito Funk, shows do MC Neguinho do Kaxeta, Hariel, Amaral e Mc Nego Blue, na Rua Koshun Takara, mais conhecida como Sucupira, local de referência do Jardim Peri para os fluxos aos finais de semana.

jdperi1
Foto: Reprodução // Facebook

MC Nego Blue, que é de Cidade Tiradenes, usou o ídolo como tema da música ”É Gol”’. A letra retrata a comunidade, dificuldades e conquistas do jogador. Uma história que se repete em infinitas quebradas Brasil afora.

Moradores do bairro se orgulham e afirmam que o local é um celeiro de talentos, tanto na música quanto no futebol e principalmente para quebrar o preconceito de ‘quem nasce na favela é bandido’. Gabriel é prova viva de que todos podem alcançar seus sonhos, independente das condições e lugares em que vivem. Sendo assim, os mais de 80 mil habitantes do bairro, e também o restante do Brasil, estão na expectativa para presenciar um garoto de família humilde, que saiu da periferia com a missão de representar sua comunidade e nação para o mundo.

Jogando futebol no Peri ? @guilhermeee_silva10 tomou logo um rolinho ??

A post shared by Gabriel Jesus (@dejesusoficial) on

Se a comunidade admira Jesus, a mãe teve papel fundamental em toda essa história. Ela conta que sempre incentivou seus filhos, sem deixar que desistissem dos seus sonhos. A mãe sempre o acompanhou nos jogos e diz que se emocionou quando milhares de torcedores cantou o bordão: “Glória, Glória, aleluia é Gabriel Jesus”. Agora é esperar a bola na rede pra cantar de novo.

Leia também:
A minha primeira Copa
Ninguém disse que seria fácil

Comentários