Kendrick Lamar faz história ao ganhar Prêmio Pulitzer

Música 17/04/2018

Foto: Reprodução // Wikimedia

Algumas análises apontam o rap como o “novo rock”. Essa comparação é feita pelo alcance que o ritmo, eternizado por bandas como Beatles, Rolling Stones, AC/DC e outros artistas, teve no século passado, e por tudo que o rap vem fazendo desde os anos 2000, com nomes como Kanye West, Jay-Z, Drake e outros. No entanto, a vertente nascida nos subúrbio americano vem acumulando conquistas inimagináveis. A mais recente veio do rapper Kendrick Lamar, que conquistou o prêmio Pulitzer, um dos mais conceituados quando o assunto é artes, na categoria música. O Portal KondZilla vai te explicar porque essa conquista é tão foda.

O Prêmio Pulitzer foi criado em 1917 e ficou conhecido por ser a principal premiação para jornalismo, literatura e arte mundial. Desde 1943, a categoria “Música” passou a integrar a premiação, sendo vencida apenas por artistas de jazz e música clássica. Isso até esta última segunda-feira (16), quando Kendrick Lamar foi declarado vencedor com o seu álbum “DAMN.“.

“O tempo está certo. Nós estamos muito felizes dessa seleção”, explicou Dana Canedy, a responsável por administrar o prêmio, em entrevista publicada no New York Times. “Significa que o júri e nossos sistemas funcionaram como deveria: o melhor trabalho ganhou o Prêmio Pulitzer”.

Lançado em abril de 2017, o quarto álbum do rapper americano de Compton, na Califórnia, foi um sucesso instantâneo pelo discurso político de suas letras e produções únicas no universo hip-hop. Aclamado pela crítica mundial, “DAMN.” conta com faixas como “DNA“, “LOYALTY“, com a participação de Rihanna, e “HUMBLE“, todas com pelo menos 100 milhões de visualizações no YouTube. No radar do mundo, Kendrick também foi convidado para ser responsável pela trilha sonora do filme “Pantera Negra”, e também fez uma apresentação histórica no “show do intervalo” na final do campeonato de futebol americano colegial.

Como disse Terrence Henderson, executivo da gravadora do Kendrick, a Top Dawg Entertainment: “Espero nunca mais ouvir vocês falarem com menos que respeito sobre o Kendrick Lamar”. O rap está em um momento único, e Kendrick está marcando uma época de ouro para música de periferia pelo mundo.

Leia também:
É rap ou é funk? É WC no Beat com o álbum 18K
“Tô curtindo demais essa fase”, MC Cabelinho surfa no rap e no funk
Produtor de rap e funk, DJ Cuco conta sobre o começo das produções na Baixada

Comentários