Vai, Malandra! Anitta vira série do Netflix

Notícias 12/07/2018

“Sabe aquela expressãozinha que a gente usa: ‘a minha vida está tão louca que daria uma série’? Pois é. A minha deu!”. Com essa frase, a cantora Anitta anunciou a docussérie “Vai, Anitta”, produzida pela Netflix, que vai contar um pouco da trajetória da artista que saiu do subúrbio carioca e conquistou o mundo graças ao seu talento – e ao funk. O Portal KondZilla te explica melhor essa novidade, que tem data de lançamento prevista para esse ano.

O anúncio da série foi feito pela Netflix nesta quinta-feira, 12 de julho. Segundo a plataforma de streaming, a série, produzida de forma documental e que tem previsão de lançamento para 2018, mas sem uma data específica, “vai mostrar o dia a dia da cantora que nasceu no baile funk e ganhou o mundo inteiro. Aliás, é bom lembrar que, em 2019, também vai ter KondZilla na Netflix com a série Sintonia – clique aqui e saiba mais sobre a série.

Anitta é um dos principais expoentes da música brasileira no Planeta Terra. Cria do funk, Anitta teve seu primeiro hit nacional com “Meiga e Abusada“, em 2012. De lá para cá, o catálogo de sucessos da artistas só cresceu, com “Show das Poderosas“, “Bang!“, “Paradinha“, “Loka“… sim, a lista é grande.

Em 2017, a cantora anunciou seu projeto CheckMate, que consistia em lançar um single até o final do ano, interpretando os mais diferentes estilos e com participações de artistas internacionais. O projeto foi um sucesso absoluto e Anitta passava a ser uma estrela internacional.

Em “Vai, Anitta”, o público vai poder acompanhar um pouco dos bastidores dessa ascensão meteórica da cantora, dentro e fora dos palcos. Esse é só mais um exemplo do poder da cultura produzida nas periferias do Brasil e que vem conquistando o mundo!

Acompanhe a artista pelas redes sociais:
Facebook // Instagram // Twitter // YouTube

Acompanhe a KondZilla pelas redes sociais:
Facebook // Instagram // Twitter // YouTube

Leia também:
KondZilla lançará série “Sintonia” com a Netflix
Reggaeton e funk, uma mistura caliente
Seria o funk em 150BPM uma nova direção do funk no Rio?

Autor:
Redação

Comentários