MC Rebecca, a diva empoderada do 150BPM

Música 2 semanas atrás

*Todas as fotos por: Léo Caldas // Portal KondZilla

Já pensou em mudar de vida em menos de três meses e se tornar uma das principais revelações da cena musical do Rio de Janeiro? Esse sonho virou realidade para Rebecca Alves, a MC Rebecca, que em pouco tempo já virou febre nos bailes cariocas, puxando o bonde das minas do 150BPM e embalado sucessos como “Cai de Boca” e “Coça de Rebeca”, que somam milhões de visualizações no YouTube. O Portal KondZilla conversou com a nova revelação do Rio, saca só.

No auge de seus 20 anos, MC Rebecca virou a mais nova sensação do funk carioca e vem ganhando as pistas de todo Brasil com letras que retratam, da forma mais clara e objetiva possível, realidades até então pouco cantadas pelas mulheres no funk. Ela é um dos principais nomes da nova geração de minas independentes, que sobem no palco para empoderar também, dando orgulho pra Valesca Popozuda, Deize Tigrona, Tati Quebra Barraco e outros nomes da “velha guarda”, que marcaram época nos anos 2000 também com um discurso empoderador.

Cantando sobre o prazer e a sexualidade feminina, a carioca tem colocado mais uma vez o empoderamento feminino em pauta o mundo do funk , como nos trechos do seu principal sucesso, “Cai de Boca”. “Estava cansada de ouvir só os homens cantarem o que eles querem. Sentar ali, quicar aqui… e por que a mulher também não pode?! Sempre escutei[Valesca, Tati, Deize…] e elas têm essa pegada de feminismo, cantar letras assim. A imagem delas e tudo o que representaram e representam até hoje. Elas têm grande influência na minha carreira“, explica a cantora, em entrevista por telefone ao Portal KondZilla.

Mulher, negra, periférica e agora MC, Rebecca comenta que já passou por situações de preconceito por cantar o que canta, mas ela conta que tenta não ligar, prefere seguir seu trabalho e trilhar sua carreira. “As pessoas ainda ficam espantadas, mas acho que estão se acostumando. Tô aqui para passar a mensagem de que toda mulher pode cantar o que ela quiser, sem se importar com o que os outros vão pensar”.

No eixo Rio x São Paulo, é fácil notar que em terras cariocas as minas têm mais voz no mundo do funk. Na capital paulista, ainda são poucos os exemplos de minas que conseguiram se destacar, como: MC Bella, MC Rita, Tati Zaqui e Dani Russo. Elas, inclusive, cantam uma parada bem diferente das cariocas, o que fez até a Rebecca me perguntar durante a conversa: “por aí vocês não cantam muito putaria, né?!”. Minha resposta, como mulher paulista e fã de um bom baile funk, foi sim. Aliás, fiz questão de dizer o quão irado é ver uma menina tão nova como ela, cheia de verdade, com um funk mega empoderado, fazendo esse sucesso todo, mas não quero esticar isso porque a entrevista aqui é com a Rebecca e não com a Jéssyca.

Outra diferença fácil de notar é a batida do funk. Para a carioca, que compõe a nova geração de artistas que levam a bandeira do 150 BPM, essa novidade já não é bem uma novidade e já retratamos aqui. Já para as paulistas, todos os passos (ainda) são feitos no 130 BPM. “O 150 é muito bom. É difícil cantar e dançar ao mesmo tempo né, mas a gente tá trabalhando pra que isso fique fácil. O pessoal aqui do Rio tá tão acostumado com o som em 150 BPM, que quando ouve um 130 fica: e agora, quando vai acelerar?”.

O hit “Cai de Boca”, composto pela cantora Ludmilla, chegou às mãos de Rebecca em julho como um presente entre amigas (e que presente!!!). Ao gravar e dar sua cara a nova versão, a cantora não poderia imaginar que a música se tornaria seu primeiro grande sucesso da carreira e uma das mais tocadas pelo Brasil. “Fiz meu primeiro show no Baile da Gaiola, o Rennan da Penha que me levou. Cantei para mais de 25 mil pessoas”, comenta empolgada a MC, que apenas no mês de agosto fez 32 apresentações.

Rotina de popstar, entrevistas, ensaios, shows, fãs gritando seu nome… Todo esse mundo é novidade na vida de Rebecca, que até pouco tempo brilhava nas quadras de samba cariocas como Rainha das Passistas. “Sempre vou amar o samba, mas estou realizando o sonho de ser cantora e venho me preparando muito para isso”.

O público que está conhecendo e curtindo o som da cantora já pode acessar o Canal KondZilla e assistir o videoclipe de “Coça de Rebecca”. Ficamos na torcida para que o seu discurso também possa incentivar e empoderar mais e mais mulheres Brasil a fora.

Siga a cantora nas redes:
Facebook // Instagram

Acompanhe a KondZilla pelas redes sociais:
Facebook // Instagram // Twitter // Facebook

Leia também:
Fotos fodas de mulheres fodas
Estabelecida no Funk, MC Carol lembra sua trajetória

Comentários