O VAR chegou nos gramados brasileiros

Esporte 13/09/2018

Foto por: Divulgação // CBF Oficial

Tecnologia e futebol, será que dá certo? Essa é uma dúvida que está pairando no ar com o surgimento do VAR (do inglês Vídeo Assistant Referee). O VAR nada mais é do que um árbitro assistente que terá a ajuda do vídeo para auxiliar os árbitros de campo em lances polêmicos e duvidosos. Essa novidade já está rolando em todo mundo e aqui no Brasil está sendo testada pouco a pouco – com direito à polêmicas, é claro. O Portal KondZilla te explica tudo sobre essa nova tecnologia.


Foto por: Reprodução // FIFA

A aprovação do uso do árbitro de vídeo foi oficializado pela IFAB (International Football Association Board), órgão que gerencia as regras do futebol, em junho de 2016 e se iniciou alguns teste a partir de agosto daquele ano. O VAR é formado por uma equipe de juízes que fica numa central de vídeo fora do estádio, acompanhando por vários monitores de TV tudo o que rola no campo, com direito a replay. O juiz principal pode ser avisado pela equipe do VAR sobre algum lance duvidoso e rever a jogada em um monitor de TV que fica posicionado ao lado do gramado e tomar a sua decisão a respeito do lance. Os jogadores e técnicos das equipes não podem solicitar o uso do VAR em nenhum momento, mas sempre rola aquela pressão.

Em prol da dinâmica, a novidade só pode ser utilizada lances decisivos do jogo que não ficaram claros para o árbitro e seus assistentes às margens do campo. Vou dar alguns exemplos: para definir se num lance de gol houve alguma irregularidade, para ter convicção na marcação de um pênalti e na identificação de um atleta que tenha cometido uma falta grave. É bom deixar claro que a última decisão é sempre do árbitro.

A Copa do Mundo da Rússia foi marcada por ser primeira Copa a utilizar o VAR. Entre erros e acertos, a tecnologia auxiliou bastante o árbitro principal em marcações de lances duvidosos, muitos deles penalidades máximas. No total, 28 pênaltis foram marcados na Copa do Mundo, mais que o dobro da Copa anterior. Só que, como já falamos, essa novidade não vai acabar com a polêmica no futebol. Na Copa, tivemos bons exemplos disso, como no gol da Suíça sobre o Brasil, onde um atleta suiço empurra o zagueiro Miranda para fazer o gol. Mesmo consultando o árbitro de vídeo, o juizão de campo achou que não foi falta.

No Brasil, a tecnologia chegou primeiro em competições regionais. Na final do Campeonato Pernambucano, por exemplo, teve polêmica. O time do Salgueiro teve um gol anulado pelo árbitro de vídeo em lance duvidoso e a equipe do Sport se consagrou campeã. A primeira competição de nível nacional a ter o VAR é a Copa do Brasil, que está na sua fase de semi-finais e, até o momento, a tecnologia não foi usada.

Nessa última quarta-feira, teve a primeira polêmica em âmbito nacional. Durante o jogo Palmeiras e Cruzeiro, pela Copa do Brasil, no último lance da partida o time paulista marcou um gol, porém o árbitro Wagner Reway já tinha anulado a jogada marcando falta de um jogador do Palmeiras. Como a jogada foi parada antes de sair o gol, o VAR nem pôde entrar em ação, o que revoltou os palmeirenses.

O arbitro de vídeo será utilizado em outras competições pelo Brasil futuramente e uma delas é no Paulistão 2019 – pelo menos a partir das quartas de final. A informação veio através do presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro. Em 2017, a final do Campeonato Paulista foi marcada por uma polêmica de interferência externa.

“Estamos bem encaminhados com a empresa que fez a Copa do Mundo. Já solicitamos à CBF que encaminhe as nossas pretensões à Fifa”, disse o dirigente, em entrevista à Gazeta. “Eles são exigentes, o protocolo tem que ser cumprido com rigor, não há ‘quebra galho’. E nós estamos dispostos a fazer e bancar essa despesa. Em 2019, com certeza [vai ter VAR] nas quartas de final, semifinal e final. Durante o campeonato, não”.


Foto por: Divulgação // CBF Oficial

Um balanço geral que podemos afirmar é que a tecnologia ajuda os árbitros a terem mais precisão nos lances que surgirem dúvidas, porém acaba irritando a galera que é contra o futebol moderno, por ter a presença de tecnologia dentro das quatro linhas. É importante destacar que todo esse processo de tecnologia tem um custo, por isso não é fácil colocar o VAR em tudo quanto é lugar.

A era do VAR está escalada por diversos campeonatos do futebol mundial, agradando uns e sendo odiado por outros, mas é fato que o arbitro de vídeo soma de forma positiva nas decisões do árbitro principal da partida, diminuindo as polêmicas que surgem no decorrer da partida. A quem diga que a tecnologia no futebol já é uma polêmica, tem também quem diga que é um bom avanço para tornar o futebol mais entretenimento e acabar com a violência.

Acompanhe a Kondzilla pelas redes sociais:
Facebook // Instagram // Twitter // Youtube

Leia também:
Esporte não tem gênero
Do Jardim Peri para o mundo

Comentários