Veja como eram feitos os hits do passado com o Dennis DJ

Música 3 semanas atrás

*Foto: Divulgação // Facebook

A internet facilitou os formatos de produção de conteúdo, inclusive da música. Mas você já se perguntou como eram feito os hits do passado? Caso não tenha em mente como eram os processo, o produtor carioca Dennis DJ te dá um tutorial rápido da treta que era. Um dos principais nomes do baile funk (da atualidade e dos anos 00), Dennis mostrou seu mixer GEMINI 7024 e explicou como era a produção das músicas antes da popularização de softwares como Acid Pro e Sony Vegas. Confira no vídeo abaixo mais dessa história:

Hoje não é quinta-feira, mas vamos de tbt? Nos meus 10 anos de idade, liguei a tv num programa local aqui do Rio e assisti o @djgrandmasterraphael fazer exatamente isso que estou fazendo no vídeo. Foi nesse momento que decidi ser Dj.

Posted by Dennis DJ on Monday, June 11, 2018

Já batemos um papo com o DJ e produtor carioca, que foi o responsável por diversos sucessos do funk entre os anos 90 e 2000, entre eles: “Cerol na Mão”, “Um Tapinha Não Dói”, “Dança da Motinha”, “Jonathan da Nova Geração”, “Vai Lacraia”, “Já é Sensação“. O trabalho de produção era quase artesanal, um recorte e cole de sons num mixer. O acesso a equipamentos de produção, como uma MPC eram escassos e a galera se virava como dava.

O produtor se inspirou em outra relíquia viva do funk carioca. Ele explicou que foi aos 10 anos de idade, ao ver o DJ GrandMaster Raphael na TV fazendo uma produção ao vivo, que decidiu virar DJ. Raphael já apareceu no Portal KondZilla também, contando que o cariocas utilizavam os mixers NUMARK-PPD e GEMINI para produzirem as montagens ao vivo, febre nos bailes cariocas de antigamente.

Se antes, Dennis era um dos caras mais bem sucedidos no backstage do baile funk, hoje em dia ele assumiu uma posição no front, sendo responsável pelo “Baile do Dennis“, evento que roda o Brasil e leva diversos artistas do funk para tudo quanto é lugar. Em entrevista anterior ao Portal KondZilla, Dennis explicou um pouco da sua trajetória de mais de 20 anos rumo ao sucesso no funk.

“Eu posso falar pra você da minha história, eu tenho 20 anos no funk. Nos bastidores do funk, sempre produzindo os artistas, como compositor, produtor musical, no backstage da coisa. Eu sou conhecido no meu estado, porque eu sempre tive programa de rádio nesses 20 anos. Eu já rodei muito, eu já fiz muito evento, muito show, aquela coisa toda, por conta da Furacão 2000 tive essa visibilidade que a gente tinha com um programa de TV local, no Rio, na Band. Eu sou muito conhecido lá, e de uns 10 anos pra cá, eu decidi a tomar a frente como artista mesmo. Desses 10 anos pra cá. Então, se você analisar: depois de 10 anos trabalhando, fazendo, compondo, produzindo música no backstage, depois de mais 7 anos tentando como um artista, só de 3 anos pra cá, dentre esses 20 anos, que eu consegui chegar no meu objetivo. Então assim, tem como você desistir rápido e fácil? Não tem, pô! Entendeu?”

#TBT de hoje, é o passo a posso da produção que fiz na música Cerol na mão do @bondedotigrao #dennisdj #mpc5000 #akai @akai_pro ??

Posted by Dennis DJ on Thursday, June 28, 2018

Num segundo vídeo, Dennis mostra como foi a produção da música “Cerol na Mão“, do grupo carioca Bonde do Tigrão. Sim, aquela mesma que você dançou como se não houvesse amanhã em todas as festas que você foi quando era criança. Inclusive, falamos sobre o sample dessa música nessa lista aqui.

As produções musicas no funk de hoje tem suas diferenças com o passado, como a adição de instrumentos musicais “reais” e melodias criadas. Porém, nada se começa do zero, e os vídeos do Dennis DJ servem também para documentar a rica história dessa cultura que começou lá no Rio de Janeiro.

Acompanhe o Dennis DJ pelas redes sociais:
Facebook // Instagram

Acompanhe a KondZilla pelas redes sociais
Facebook // Instagram // Twitter // YouTube

Leia também:
A história do Dennis DJ é mais interessante do que você imagina
Uma aula de baile funk com GrandMaster Raphael
Descubra a geração dos ‘MCs-produtores’

Autor:
Redação

Comentários